Paraplegia espástica tropical
DISPLEGIAS. Paraparesia espástica tropical; Paralisia da extremidades inferiores; Paraparesia tropical espástica; Tropical spastic paraplegia. Descrita em 1865 por Jean-Martin Charcot (1825-1893), neuropsiquiatra francês.
Sexo: Não informado. Idade: Não informada. Distribuição. Diagnóstico diferencial.
Epidemiologia: PROGNÓSTICO: DOENÇAS DA MEDULA ESPINHAL. DOENÇAS CEREBRAIS. DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DOENÇAS NEUROMUSCULARES. DOENÇAS MUSCULARES. PROGNÓSTICO: Raras alterações dos nervos cranianos. . <5% dos indivíduos infectados com HTLV-I desenvolvem mielopatia ou leucemia até 20 anos após a infecção.
Clínica:. Fraqueza, dos membros, inferiores, bilateral, progressiva. Anormalia sensorial. Incontinência urinária. Perda severa da motricidade inferior, completa. Perda severa da motricidade do tórax, completa. Paraparesia, espástica. Paraplegia, com hiperreflexia.
Laboratório: IMUNO:. Anticorpos anti- HTLV-1, positivo. Anticorpos anti- HTLV-2, positivo. LCR:. Anticorpos anti- HTLV-1, positivo, eventual. PCR:. Positivo.
Lista de 8 síndromes minimais compatíveis de até 5 elementos...
. Perda severa da motricidade do tórax.
. Perda severa da motricidade inferior.
. Anormalia sensorial. Fraqueza. Incontinência urinária.
. Anormalia sensorial. Incontinência urinária. Paraparesia.
. Anormalia sensorial. Incontinência urinária. Paraplegia.
. Anormalia sensorial. Paraparesia. Paraplegia.
. Fraqueza. Paraparesia. Paraplegia.
. Incontinência urinária. Paraparesia. Paraplegia.