Lepra lepromatosa
INFECÇÃO POR BACTÉRIAS. Hanseníase lepromatosa; Morfeia impetiginosa; Hanseníase virchowiana; Hanseníase LL; Virchowian leprosy. Imunidade é nula e o bacilo se multiplica muito, levando a um quadro mais grave. Na forma "bonita" da lepra lepromatosa a pele é difusamente infiltrada e brilhante, de forma que as rugas naturais são obliteradas, gerando uma tez úmida e mixedematosa, conferindo um aspecto saudável ao paciente.
Sexo: >M, 2x1. Idade: Jovem. Adulto. De 20A-30A. Distribuição. Diagnóstico diferencial.
Epidemiologia: . HISTÓRIA PESSOAL:. Imunidade por células T comprometida. PROGNÓSTICO: Progressivo. Maligno. TRANSMISSÃO:. Inalação decorrente de exposição crônica na infância com micobactéria Mycobacterium leprae em pessoas com imunidade celular defeituosa.
Clínica:. Nódulo subcutâneo, múltiplos. Neuropatia, no dorso das mãos e pés, simétrica, lento, extensa, ulnar, bilateral, do nervo ulnar, do nervo mediano, do nervo peroniano. Queratite. Iridociclite. Lesão na mucosa, nariz, úlcera. Epistaxe. Palidez cutâneo-mucosa. Adenomegalia. Sensibilidade entre os dedos. Sensibilidade na fossa poplítea. Evolução crônica.
Laboratório: MORFO do agente:. Bacilos de Hansen - coloração de Ziehl. Micoscopia do pele, corado pela fucsina ácida a quente e diferenciado com álcool acidulado (técnica de Ziehl-Nielsen), bacilos de Hansen se coraram com a fucsina, não são descorados pelo álcool acidulado e aparecem claramente em vermelho (daí o termo bacilos álcool-ácido resistentes ou BAAR), bacilos de Hansen são vistos isoladamente ou em grandes aglomerados chamados globias no citoplasma dos macrófagos (células de Virchow), nas globias os bacilos estão unidos entre si por uma substância chamada gléia, a formação de globias é exclusiva da hanseníase virchowiana, as globias não existem na na tuberculose ou em micobacterioses atípicas, restante do tecido fica corado em azul pálido por azul de metileno. IMUNO:. Teste de Mitsuda (lepromina) negativo. HEMOGRAMA:. Hematócrito diminuído. Diagnóstico, Anemia. MORFO do baço:. Macroscopia do baço com amiloidose, POLPA BRANCA com folículos linfóides transformados em bolas hialinas pela amiloidose, POLPA VERMELHA, macrófagos de citoplasma vacuolado e limites imprecisos (células de Virchow), aglomerados células de Virchow como áreas mais claras e frouxas, difícil distinguir as células individualmente, com aspecto vacuolado ou espumoso (presença dos bacilos de Hansen (que são ricos em lípides). MORFO do nervo:. Microscopia do nervo com amiloidose, células de Virchow entre os feixes de axônios e células de Schwann, estrutura do nervo está preservada apenas na periferia, centro do fragmento apresenta completa substituição por tecido fibroso denso (resultado da cicatrização da lesão hanseniótica). MORFO da pele::. Microscopia do pele com células de Virchow, coloração HE, acúmulos de macrófagos em todos os níveis do derma, mais notadamente na porção superficial, os macrófagos têm citoplasma claro, finamente vacuolado e limites imprecisos, sendo difícil individualizá-las, não é possível ver (coloração HE) os macrófagos têm o citoplasma abarrotado de bacilos de Hansen (células de Virchow). Microscopia do pele com globias, formando acúmulos conhecidos como (globias), raramente estas podem ser visualizadas como massas basófilas. O meio correto de ver os bacilos é com a coloração de Ziehl-Nielsen, como na lâmina seguinte (A. 184). Os macrófagos fagocitam os bacilos e não conseguem destruí-los. Pelo contrário, os bacilos proliferam no seu citoplasma, já que são parasitas intracelulares. Os macrófagos ricos em bacilos de Hansen são chamados células de Virchow e caracterizam a forma virchowiana da hanseníase (antigamente chamada de lepra lepromatosa). Não ocorrem só na pele, mas também em nervos periféricos (local preferencialmente acometido tanto na hanseníase virchowiana como na tuberculóide) e órgãos internos como o baço (estes, só na forma virchowiana). O termo leproma, hoje em desuso, foi substituido por hansenoma. Os hansenomas são o nome dado clinicamente aos nódulos subcutâneos salientes, resultantes do acúmulo de células de Virchow. Ocorrem na face (dando um aspecto conhecido como fácies leonina), tronco e membros. Há também alopécia (queda de pelos e cabelos) e madarose (perda dos supercílios). Além das alterações na derme, notar que a epiderme está retificada (ou seja, o limite dermo-epidérmico, que normalmente é ondulado, perde estas ondulações ficando plano; isto geralmente é evidência de atrofia da epiderme, no caso através de compressão pelos hansenomas na derme). É frequente a observação da chamada faixa de Unna:. uma fina camada de colágeno subepidérmica onde não há células de Virchow.
Lista de 24 síndromes minimais compatíveis de até 5 elementos...
. Sensibilidade entre os dedos.
. Sensibilidade na fossa poplítea.
. Adenomegalia. Epistaxe.
. Adenomegalia. Iridociclite.
. Adenomegalia. Queratite.
. Epistaxe. Iridociclite.
. Epistaxe. Lesão na mucosa.
. Epistaxe. Nódulo subcutâneo.
. Epistaxe. Queratite.
. Iridociclite. Neuropatia.
. Iridociclite. Nódulo subcutâneo.
. Iridociclite. Palidez cutâneo-mucosa.
. Lesão na mucosa. Neuropatia.
. Nódulo subcutâneo. Palidez cutâneo-mucosa.
. Nódulo subcutâneo. Queratite.
. Palidez cutâneo-mucosa. Queratite.
. Adenomegalia. Evolução crônica. Nódulo subcutâneo.
. Adenomegalia. Neuropatia. Nódulo subcutâneo.
. Evolução crônica. Iridociclite. Lesão na mucosa.
. Evolução crônica. Iridociclite. Queratite.
. Evolução crônica. Lesão na mucosa. Nódulo subcutâneo.
. Evolução crônica. Lesão na mucosa. Queratite.
. Evolução crônica. Neuropatia. Queratite.
. Adenomegalia. Evolução crônica. Neuropatia. Palidez cutâneo-mucosa.