Acantose nigricans benigna
ACANTOSES NIGRICANS. Benign acanthosis nigricans. Espessamento e hiperpigmentação da pele de todo o corpo principalmente nas áreas de flexão. Descrita em 1943 por Helen Ollendorff-Curth (1899-1982), dermatologista alemã.
Sexo: Não informado. Idade: Não informada. Distribuição. Diagnóstico diferencial.
Epidemiologia: EPIDEMIOLGIA:. Rara. TRANSMISSÃO:. Autossômica dominante. Obesidade. Diabetes mellitus. Tumores da pituitária. Tumores da pineal. Neoplasias benignas.
Clínica:. Início gradual. Lesão cutânea com hiperceratose, principalmente nas áreas de flexão, na face, pescoço, mucosa oral, axilas, virilha, fossas antecubitais, umbigo. Lesão cutânea hiperpigmentada, principalmente nas áreas de flexão. Evolução crônica. Conjuntivite. Pigmentação da conjuntiva palpebral. Tumores nas pálpebras. Tumores nas margens das pálpebras. Madarose. Triquíase.
Laboratório:
Lista de 2 síndromes minimais compatíveis de até 5 elementos...
. Lesão cutânea com hiperceratose.
. Lesão cutânea hiperpigmentada.