Tuberculose linfática periférica
CIRCULATÓRIO: VASOS LINFÁTICOS SISTÊMICOS. Tuberculose ganglionar; Linfadenopatia tuberculosa periférica; Adenite tuberculosa; Linfadenite tuberculosa; Tuberculosis, lymph node. Antigamente a Tubeculose adeno-cervical era chamada de Escrófula ou Mal do Rei.
Sexo: Não informado. Idade: Criança. Adulto. Distribuição. Diagnóstico diferencial.
Epidemiologia: . Criança, outras Micobacterias, M. Scrofulaceum mais comum. Adulto, M. tuberculosis. HISTÓRIA PESSOAL:. Doença pelo HIV.
Clínica:. Escrófula. Adenomegalia, generalizada, indolor, agrupados, fistulizados, eventual.
Laboratório: MORFO dos linfonodos:. Microscopia do linfonodo, estrutura profundamente alterada por granulomas constituidos por células epitelióides e gigantes. Os granulomas confluem, e tendem a obliterar o tecido linfóide normal pré-existente, parte central de muitos granulomas sofreu necrose coagulativa, dita caseosa por seu aspecto macroscópico que lembra queijo mineiro ou ricota. Lesão necrótica com aspecto homogêneo e acidófilo, Células com núcleos picnóticos, Cariorrexe, Presença de gigantócitos na periferia do órgão formando granulomas, Presença de fibrina, Coloração HE. Linfonodo apresentando extenso nódulo constituído pela fusão de granulomas tuberculóides. O nódulo apresenta-se constituído perifericamente por macrófagos, células epitelióides e célula gigante tipo Langhans e acha-se centrado por volumosa área de necrose caseosa (Obj: 20x). Conclusão:. Linfadenite tuberculosa.
Nenhum conjunto compatível de até 5 elementos foi encontrado!